Nasce mais um "Thallesmã" na Colina

Veja o que torna o garoto de 17 anos, destaque da seleção sub 17, a possível maior revelação do Vasco desde Edmundo


Fonte: Site oficial do Vasco da Gama

O nome é Thalles Magno Bacelar Martins. A idade: 17 anos. Apenas 17. É esse adolescente com futebol de adulto que tem impressionado o Brasil neste segundo semestre de 2019 cujo clube de origem, o Vasco da Gama, corre para renovar seu salário e, assim, impedir uma saída prematura e com valores abaixo do que o potencial do jogador realmente vale. 

Nascido em 2002, o talento de Thalles Magno assusta. Com apenas NOVE jogos na série A do Campeonato Brasileiro, o jovem cria da base vascaína já marcou 2 gols e vem assumindo cada vez mais o protagonismo em um elenco carente no setor ofensivo sobretudo no que tange a criação de jogadas. O Vasco possui um dos piores ataques do campeonato, à frente apenas de CSA, Botafogo e São Paulo. Situação que poderia estar pior sem as atuações da jovem promessa. 

O jogador já é tido como uma joia desde o sub 15 na base do Vasco, contudo sem a mesma badalação de outros como Paulinho e Lucas Santos, este último foi recentemente emprestado ao CSKA após não conseguir engrenar no profissional. Na campanha excelente do clube na Copa São Paulo de Futebol Jr (A copinha) desse ano, Thalles Magno era reserva, apesar de entrar com frequência no decorrer das partidas, uma vez que na época do torneio só tinha 16 anos. O jogador ainda permaneceu sem atuar pelo profissional sob o comando de Alberto Valentim, o potencial da jóia passou despercebido pelo atual treinador do Avaí, ex Vasco. Foi só com Vanderlei Luxemburgo que o jovem ponta subiu para o elenco principal, um dos grandes méritos do treinador na recuperação do time que ocupava a última posição da tabela quando o comandante assumiu a equipe, atualmente na 12º posição. Dessa forma, o jogador fez sua estreia pelo cruzmaltino no clássico contra o Botafogo, ainda com 16 anos, o mais novo do século a estrear pela equipe. Sua velocidade, objetividade nos dribles e lucidez empolgou Luxemburgo que o pôs de titular no jogo contra o, até então líder, Palmeiras no Allianz Parque. Essa parece ter sido o jogo “divisor de águas” para o garoto. Atuando aberto pela esquerda, ele incomodou muito a defesa dos donos da casa mostrando não só talento, mas personalidade (raro no futebol atual). 

Taticamente, Thalles Magno tem mostrado muita disposição na recomposição defensiva, acompanhando os laterais adversários e fechando os espaços na marcação em bloco médio que faz o time de Luxemburgo. Não obstante, sua movimentação ofensiva tem sido a arma principal do fraco ataque vascaíno. Flutuando, o camisa 43 busca dar opção nas duas pontas para tabelas e triangulações. Muitas vezes sozinho, uma das maiores virtudes do jogador é o repertório com a bola nos pés. Thalles já demonstrou ser capaz de jogar de costas, sendo uma alternativa para manter a posse de bola no ataque, de ser o cara que clareia o campo procurando um companheiro que infiltre ou que dê amplitude para uma inversão, bem como de ser aquele ponta “clássico” de drible curto e chegada na linha de fundo. Comparando com as revelações mais badaladas que o antecederam no Vasco, como Coutinho e Paulinho, pelo o que demonstraram de arsenal futebolístico aos 17 anos, Thalles Magno sobressai frente aos anteriores não apenas por ser mais completo, mas também por ter bem mais personalidade e assumir com uma surpreendente maturidade o protagonismo no time em qualquer partida contra qualquer adversário. 

A colina histórica está revelando ao Brasil mais um jogador de nível mundial.

Comentários