Abel e Alberto Valentim duram até o fim do carioca?

Velhos conhecidos das duas torcidas e com trabalhos ruins na bagagem, dupla de treinadores do Rio de Janeiro inicia o ano bastante pressionada

No canto esquerdo, Abel sendo apresentado no Vasco. No canto direito, Alberto Valentim comanda treino no Botafogo. Foto/GloboEsporte.

Vasco e Botafogo decidiram iniciar o ano de 2020 com dois treinadores conhecidos pelo clube e pela torcida. Contudo, a motivação para a aposta nas mesmas peças que já demonstraram não corresponder em outras ocasiões é uma incógnita nem tão incógnita assim. Fato é que Abel Braga e Alberto Valentim começarão trabalhos carregados de desconfiança da imprensa e, sobretudo, das próprias torcidas. 

Mas o que levou Vasco e Botafogo persistirem em ambos? Conhecimento do clube? Da situação financeira? Salários mais baixos? Amizade com dirigentes? 

A resposta provavelmente abarca mais de uma dessas razões. No caso do cruzmaltino, a amizade com o mandatário Alexandre Campello foi apontada como fator determinante para a contratação de Abel. Não obstante, o salário dentro da realidade financeira do clube e a característica de uso da base também surgiram como aspectos que influenciaram positivamente na negociação com o treinador carioca. Contudo, as passagens recentes por Flamengo e Cruzeiro corroboraram para a rejeição ao comandante por parte da torcida, a qual acreditava em uma mudança de mentalidade no Gigante da Colina. Abel é o mais do mesmo. E com isso, pouco se crê em sua continuidade no cargo. 

No Botafogo, o caso é semelhante. Alberto Valentim possui aproveitamento de menos de 40% no Brasileirão somando todos os clubes por onde passou. No entanto, ainda assim o Glorioso resolveu apostar na sua filosofia para um ano que promete ser muito mais do que conturbado. Somando quase 1 Bilhão de reais em dívidas, tudo que o clube da zona Sul do Rio de Janeiro pôde fazer para 2020 é apostar. As movimentações de mercado mostraram ao menos algumas apostas interessantes, ao contrário do comando técnico. Assim como Abel, Valentim não chega nem perto de ter aprovação da torcida do alvinegro que já pedia a sua demissão antes mesmo da estréia da equipe, assim como a torcida do Vasco pede a de Abel Braga. Muitos, inclusive, já estipularam um prazo para a queda de ambos: o fim do Campeonato Carioca. Tamanha pressão só pode ser respondida com trabalho de qualidade e boas atuações, mas será que ambos possuem capacidade para tal? 

Talvez fosse o momento de apostar em novas ideias. Novas filosofias. Infelizmente, a mesmice continua assombrando e apequenando times grandes na cidade maravilhosa.

Comentários

  1. Boa tarde João Vitor. Quero saber novidades sobre Yaya Toure no Fogão. E também sobre Zapata

    ResponderExcluir

Postar um comentário