Análise em destaque

O time mais revolucionário dos pontos corridos - Análise do Flamengo Campeão Brasileiro de 2019

Invicto no Maracanã. Recordista de pontos, vitórias e saldo de gols. Desvende a aniquiladora equipe construída por Jorge Jesus



Jorge Jesus sendo festejado por seus jogadores. Foto: Imirante

Somando nada menos que 90 pontos no Campeonato Nacional e beirando os absurdos 79% de aproveitamento, o Flamengo de 2019 entrou para o panteão do futebol brasileiro, assim como o seu técnico. Ao todo, foram 10 recordes quebrados no Brasileirão e um título dos mais representativos. Nesse contexto, veremos quais são os diferenciais que fizeram do Rubro-Negro o melhor time do Brasil e da América. 

FORMAÇÃO COSTUMEIRA

Reprodução/Site da Libertadores

ANÁLISE

Indo direto ao ponto, neste início, o principal diferencial do Flamengo foi seu desempenho coletivo. Parece óbvio, mas nem todo time vencedor demonstra um grande desempenho. Há vários exemplos que confirmam isso no futebol brasileiro. O Corinthians de Carille em 2017, o Palmeiras de Cuca em 2016 e de Felipão em 2018, e por aí vai. Eram times eficientes e bem organizados sim, sobretudo na defesa, mas contavam demais com a intuição e talento de jogadores refinados como Gabriel Jesus, Dudu e Rodriguinho. Logo, apesar de possuir um elenco estrelado, o Flamengo de 2019 é acima de tudo um show de coletividade.

Dito isso, seu esquema habitual consiste de um 4-4-2, que se desmembra em um 4-2-2-2. No entanto, dentro de campo há inúmeras variações. Pra começar, vê-se a saída de bola:


Na base, a famosa e bastante utilizada no futebol mundial, saída Lavolpiana, que nada mais é que o volante recuando para abrir os zagueiros e aprofundar os laterais. Em números, uma espécie de 3-4-3. R. Caio, Arão e Marí; Rafinha, Gérson, Éverton Ribeiro e Filipe Luís; Arrascaeta, Gabigol e BH. Se aproximando bastante de um jogo de posição, o Flamengo utilizava Diego Alves sempre que podia para gerar superioridade e romper a 1º linha de marcação do adversário, quando este subia pra pressionar. O goleiro foi fundamental para a construção das jogadas desde a base ao longo da temporada com seus passes certeiros.

Contudo, o Rubro-Negro não era refém dessa forma para sair jogando. Veja o vídeo abaixo:


Se o adversário mostrasse uma postura mais recuada, o Flamengo procurava bastante as triangulações para criar linhas de passe e quebrar o sistema defensivo. Nesse caso, contra a Chape, Arão recebe entre a 1º e a 2º linha de marcação e rapidamente acha Éverton Ribeiro com espaço para avançar. A proximidade e a rápida troca de passes é outra virtude dessa equipe. A compactação ofensiva foi um diferencial tático chave para o sucesso do Rubro-Negro no Campeonato Brasileiro.

Por extensão, ao avançar o meio de campo, o time era muito rápido em suas movimentações altamente sincronizadas para criar situações de perigo. Se um dos homens de frente abre, os outros agridem a área. Se for em setores mais recuados, um abre e os outros caem por dentro para construir. Sempre se movimentando para confundir a marcação adversária e encontrar espaços.

Assim, marcou muito gols. Olhe um deles:



Agora, observe um exemplo de transição ofensiva do Fla:


Na imagem, Arrascaeta abre e os outros dois homens de frente agridem a área infiltrando e trocando de posição. Outro ponto de grande destaque é o uso de Filipe Luís na construção por dentro. Sendo um lateral já veterano, Jorge Jesus soube aproveitar a sua qualidade de passe para poupá-lo do trabalho desgastante de ida recorrente à linha de fundo. Ao invés disso, cria por dentro. É capaz de conectar passes entre as linhas, bem como de enfiar bolas em profundidade para os meias e atacantes, se tornando um forte ponto de apoio.

Do mesmo modo que a equipe carioca era perigosa posicionalmente, era ainda mais em velocidade. As transições e os contra-ataques insanos foram uma marca na campanha do título. Mas para isso, é preciso produzir situações em que o adversário é pego desprevenido e desorganizado, algo que, ao contrário do que é amplamente praticado no Brasil, pode ser feito jogando ofensivamente.

Veja o vídeo:


Incontavéis foram os gols gerados pelo Flamengo de Jorge Jesus a partir de roubadas de bola no setor ofensivo. Assim como a pressão alta, que pôde ser observada acima, outros pontos corroboravam com a eficiência na recuperação da bola. A construção agrupada com a linha de zaga bem adiantada,  também oferecia a compactação necessária aos jogadores para, em caso de perda, estarem próximos o suficiente para recuperar a bola imediatamente.

Assista:


Impressiona o arsenal de ideias que Jorge Jesus conseguiu implementar no Rubro-Negro.

Por conta do desgaste, não é possível marcar em bloco alto 100% do tempo. E marcando mais recuado, a boa compactação ajuda ainda mais. Dessa forma, marcando por zona, o time costumava montar uma zona de guerra bem fechada próximo ao setor da bola, dificultando que o adversário achasse espaço entre as suas linhas de marcação, e consequentemente, induzindo-o ao erro ou fazendo com que ele trocasse passes por fora.


Na imagem acima, é possível perceber a compactação entre as linhas de marcação do time carioca, tanto em amplitude (fator zona), quanto em profundidade. Renê e Vitinho não aparecem nessa foto, mas são os outros dois elementos que compõem essas duas linhas de 4.

Por fim, o "ponto fraco" ficava por conta da necessidade de fazer pressão ao receptor da bola no setor médio defensivo. Pablo Marí e Rodrigo Caio abandonavam a linha de defesa com frequência pra reduzir o espaço desse jogador que recebe de costas. Logo, isso produzia alguns espaços na defesa, os quais foram aproveitados com certa frequência, como no vídeo abaixo:


Nesse lance, por sorte, havia impedimento.

Enfim, como dito no início, o Flamengo Campeão Brasileiro de 2019 sobrou não só nos números de vitórias, mas, principalmente, em desempenho. Um futebol altamente intenso, ofensivo, moderno, tático e muito técnico. Como ainda não se tinha visto no século XXI. Revolucionário.




Imagens e vídeos de autoria do Grupo Globo e editados por João Victor.

Comentários

  1. A inteligência da maioria dos jogares e a capacidade de leitura e compreensão de alguns jogares do Flamengo , facilita a implementação do esquema de jogo de Jorge jesus.

    ResponderExcluir

Postar um comentário