Pogba e deficiências no meio-campo desequilibram - Análise de PSG 1 x 2 Manchester United - UEFA Champions League 2020/2021

  Pogba consegue ser mais uma vez decisivo quando Manchester United mais precisava e ajuda Rashford na construção da vitória em Paris


Paris Saint-Germain x Manchester United era o duelo mais esperado por todos na abertura da UEFA Champions League 2020/21 colocando frente a frente duas grandes potências do futebol na atualidade. Mesmo com os desfalques, o PSG demonstrava favoritismo pela grande presença de jogadores decisivos, principalmente pela falta de presença do artilheiro Mason Greenwood, algo que acabou sendo superado dentro de campo.

ESCALAÇÕES INICIAIS


As duas escalações apresentavam desfalques: PSG entrou em campo sem Verratti e Icardi, com Marquinhos sendo poupado no banco. No Manchester United, Greenwood e Maguire estiveram fora, considerando também que Cavani não estava disponível

ANÁLISE TÁTICA

  • Estratégias iniciais
O jogo começou e a escalação acima estava certa: o United começou a partida com três zagueiros: Lindelof no centro tendo Luke Shaw na esquerda e Tuanzebe na direita completando uma linha de cinco jogadores. Bruno Fernandes estava sem posição fixa, recuando sendo armador ou adiantando, completando a primeira linha com Rashford e Martial.

  • A única oportunidade do PSG no 1º tempo
O time do Manchester United estava conseguindo exercer pressão ganhando a segunda bola nas primeiras jogadas construídas, deixando o PSG em perigo. A equipe francesa tentou reagir através  de jogadas criadas com velocidade e aproximação. Quando a equipe parisiense ameaçou pela primeira vez, Neymar saiu da esquerda e puxou para dentro acionando Mbappé, tendo Di Maria aberto na direita e Gueye infiltrado, dificultando o acompanhamento da jogada.


  • Manchester United anula os parisienses
Entretanto, o técnico Solskajer parece ter entendido essa estratégia e acabou anulando o PSG aos poucos com sua linha de três zagueiros e dois laterais. Com 20 minutos de jogo, o United abriu o placar em pênalti cobrado por Bruno Fernandes. Abaixo, repare em três jogadas da equipe inglesa buscando a criação pelos lados; o PSG estava protegido pelo centro dentro da área, mas a deficiência no meio-campo permitia estas jogadas nos lados.





Martial tentou girar para cima do zagueiro e acabou sendo derrubado por Diallo. United tinha liberdade para chegar na intermediária, e no lance do gol, Luke Shaw ficou livre para enfiar a bola e acionar o jogador na área. Linha de meio campo do PSG cedia espaço e deixava o time inglês confortável. No ataque, a movimentação da linha de frente do United dificultava marcação adversária.

  • Grande atuação de McTomminay segura o resultado no 1º tempo
Na reta final do 1º tempo, o United teve mais uma chance de gol em outra jogada que evidenciou a superioridade do clube inglês nos primeiros 45'. Bruno Fernandes teve espaço para receber o passe na esquerda e carregou para o meio batendo de longe e exigindo grande defesa de Keylor Navas. 




O resumo do 1º tempo mostrou uma grande superioridade do United. Neymar e Mbappé tentaram trabalhar do centro para a esquerda, mas acabaram sendo anulados pelas boas atuações de Luke Shaw e McToominay, além da cobertura de Fred com ajuda de Wan Bissaka que neutralizaram as construções de jogadas pelas pontas do PSG. Com as linhas de marcação, a equipe francesa também encontrava dificuldades desde a saída.


  • Tuchel mexe bem e PSG entra no jogo a partir do 2º tempo
Na volta do intervalo, Thomas Tuchel resolveu substituir Gueye e entrar com Kean como centro-avante, deixando o PSG no 4-2-3-1. Herrera e Pereira foram posicionados como voltantes, Neymar atuando mais atrás ao lado de Di María na esquerda e Mbappé na Direita.

A primeira chance da equipe parisiense ocorreu logo no início do 2º tempo em jogada individual de Mbappé que driblou dois 2Wan-Bissaka e McTominay, exigindo uma defesa impressionante de De Gea





  • Mais agressivo e quebrando linhas, PSG empata o jogo
Pressionando o Manchester United para dentro de seu campo e com a aproximação que faltava na primeira etapa, o PSG estava consideravelmente melhor. Outra grande jogada construída foi no passe por cima de Neymar para Kurzawa, batendo da direção da área e encobrindo De Gea. O gol saiu na cobrança de escanteio em gol contra de Martial.







O empate foi merecido porque o PSG estava ocupando mais o campo de ataque e com bastante aproximação, tendo cinco jogadores no ataque (Florenzi se aproximava e ficava aberto na direita dividindo espaço com Dí María) quebrando as linhas de marcação de McTominay e Fred, gerando muitas oportunidades em pouco tempo com duas finalizações e uma bola na trave. Para os Red Devils, sobravam os lançamentos em profundidade buscando os arranques de Rashford na esquerda e Martial na direita.

  • Pogba entra bem e United reequilibra o jogo quando precisava
Solskjer precisava agir para mudar o panorama do jogo que estava saindo do controle. Desta vez, ele acabou fazendo a alteração certa trocando o lateral esquerdo Alex Telles pelo volante Pogba. Na primeira jogada com o volante em campo, Rashford conseguiu espaço para finalizar de fora da área e quase venceu Keylor Navas.




Pouco tempo depois, Rashford teve uma nova oportunidade ao pegar rebote de Bruno Fernandes dentro da área, exigindo defesa de Navas com o pé esquerdo.


Pogba entrou muito bem e cumpriu rapidamente nas necessidades, equilibrando o jogo com imposição física pela esquerda, além de liberar Fred na direita. O volante construiu jogadas na esquerda e, com força para bater no gol, diminuiu a intensidade do PSG que encontrava dificuldades para achar os mesmos espaços que teve no início do 2º tempo.

  • O gol de Rashford e a participação ainda mais decisiva de Pogba
Rashford tinha dois chutes na meta do gol, 7/2 dribles e apenas 3/10 duelos vencidos até aos 85 minutos de jogo, muito por conta de sua participação que foi apagada no 1º tempo.. Contudo, a entrada de Pogba foi decisiva para que Rashford convertesse estes números negativos. No final do jogo, o atacante conseguiu marcar o gol da vitória.



Recebendo assistência de Pogba na entrada da área, Rashford teve tempo de pensar a jogada na entrada da área, se livrar da marcação de Danilo Pereira, girar e bater cruzado para finalmente vencer o goleiro Navas.

  • Considerações finais
Pogba merece todos os destaques por ter entrado muito bem, mas Wan-Bisaka e Bruno Fernandes também contribuíram bastante na grande vitória do Manchester United. A atuação não foi brilhante, mas os Red Devils conseguiram anular o PSG no 1º tempo e foram capazes de reequilibrar uma partida que estava começando a sair do controle na resposta de Thomas Tuchel no início do 2º tempo. A partida não foi espetacular, mas foi um duelo tático e estratégico muito interessante por parte dos dois times.

Comentários