Rogério Ceni e a separação entre desempenho e resultado - Análise tática de Flamengo 1 x 2 São Paulo - Copa do Brasil

    Flamengo cria mais, apresenta sistema defensivo seguro e sofre poucos sustos, mas São Paulo aproveita as poucas chances para vencer



Todas as atenções estavam voltadas para Rogério Ceni. Eliminado com o Fortaleza, o técnico ganhou uma "segunda chance" na Copa do Brasil 2020 em sua estreia pelo Flamengo prometendo mudanças táticas em relação ao ex-técnico catalão Domenec Torrent.

ESCALAÇÕES INICIAIS


Mudanças no time titular foram efetuadas por Rogério. A formação tática 4-4-2 importada do Fortaleza trouxe de volta a dupla Bruno Henrique/Gabriel jogando adiantados. Buscando promover experiência na equipe, Diego Alves reassumiu a titularidade no gol.

ANÁLISE TÁTICA

  • Estratégias iniciais
O início de jogo no Maracanã foi muito bom, com as duas equipes tentando acelerar o jogo explorando os lados. No Flamengo, Vitinho estava demonstrando que seria fundamental: sem a bola, voltava para marcar, e chegava por dentro com a bola pela direita, enquanto Michael estava mais posicionado pela esquerda utilizando a formação 4-4-2.

Sem a bola, o Flamengo marcava dentro de seu próprio campo até o círculo central. No início, a proposta do São Paulo estava dando certo ao marcar com linhas mais altas e estava tendo êxito, obrigando Flamengo aos lançamentos.




  • A primeira finalização do Flamengo de Ceni
Na primeira boa chegada do Flamengo de Rogério Ceni, Gerson lançou Gabriel na direita, carregando para o meio até achar Vitinho no cruzamento rasteiro, parando em boa defesa do goleiro Volpi.




  • As perigosas saídas de Diniz
Um velho problema no São Paulo de Fernando Diniz voltou a incomodar: o erro na saída de jogo que foi praticamente fatal. Vitinho foi esperto em roubar a bola de Bruno Alves e Diego Costa dava condições para Gabriel chegar pelo meio e ficar frente a frente com o goleiro do SPFC.

[12 1T]

Em seguida, Gabriel teve outra chance em outra falha na saída do São Paulo em outra roubada de Bruno Henrique, desta vez em cima de Igor Gomes.



Foram quatro minutos dominantes do Flamengo com inversões desnecessárias de Igor Gomes com espaços muito abertos, mesmo tendo duas opções para tocar a bola. A equipe rubro-negra começou a impor barreiras, pressionando a defesa adversário impedindo que o São Paulo chegasse ao meio-campo, que era melhor quando adiantava a marcação

  • Flamengo superior no 1º tempo onde São Paulo não finalizou
O jogo evoluiu pouco nos minutos restantes do 1º tempo pois o Flamengo criou pouco, se aproveitando mais dos erros da equipe paulista além de erros técnicos para ambas equipes, principalmente do São Paulo. O tricolor paulista não conseguiu chutar ao gol em 45 minutos. Enquanto isso, o São Paulo estava encontrando dificuldades para sair jogando.

A equipe paulista também estava sofrendo nos contra-ataques. Bruno Alves perdeu mais uma bola importante e perdeu para Vitinho no meio-campo, acionando Gabriel. Michael foi lançado na esquerda e deveria receber no meio, mas a defesa desviou. Na sobra, Bruno Heinrique finalizou.

Em seguida, o quarto erro na saída de bola: Michael recuperou na ponta esquerda após falha de Luciano e cruzou rasteiro com liberdade para Gabriel concluir, mas o atacante não alcançou a bola.




O que acontecia no São Paulo: Brenner voltava para ajudar na saída, Reinaldo e Ruan apareciam para a atrair a marcação em cima deles buscando abrir, gerar espaçoso, para alguém do tricolor-paulsita sair ao ataque. O problema era que os jogadores que se apresentavam precisavam acertar o passe.

  • Os gols precoces de Flamengo e São Paulo saíram pelo meio
Sem chutar a gol durante o primeiro tempo inteiro, o São Paulo conseguiu reagir logo na primeira finalização do tricolor durante o jogo inteiro. Brenner recebeu de Gabriel Sara um lançamento perfeito e saiu com liberdade para deslocar o goleiro Diego Alves.






Ótima participação de Sara neste gol, que chegou muito bem da direita pelo meio acionando Brenner entre Léo Pereira e Gustavo Henrique. Os zagueiros ficaram para trás e perderam a disputa.

A vantagem tricolor não durou muito, pois o Flamengo empatou o jogo logo no ataque seguinte. Foi a vez de Bruno Henrique no meio acionar Gabriel pela meia-direita finalizando com um leve toque para vencer o goleiro Tiago Volpi.






A entrada de Arrascaeta foi fundamental no 2º tempo, Rogério Ceni acertou na substituição. O Flamengo pode ter perdido velocidade pelos meios, mas a colaboração de Arrascaeta em achar o primeiro passe ajudou na construção e organização jogadas para dentro, estava contribuindo bastante para a equipe.

Diego Alves sentiu a lesão novamente, o goleiro que jogava mais na área e defende bem com as mãos. O jovem Hugo Souza, que está em bom momento e joga muito bem com os pés, entrou para o restante do jogo. Logo no primeiro lance, o goleiro fechou o ângulo de Luciano que tinha liberdade direita para concluir e salvou o Flamengo, sem imaginar o que aconteceria no final.

  • Na metade do 2º tempo, jogo perdeu intensidade novamente
Com o passar do tempo, percebia-se que a velocidade pelos lados perdida no Flamengo estava fazendo falta pois Bruno Henrique estava mais por dentro. Apesar disso, o passe estava mais qualificado. Enquanto isso, o São Paulo rondava mais a área do Flamengo em relação ao 1º tempo.

Para as defesas, o problema quando o passe saia pelo meio. Para o restante do segundo tempo, a entrada de Igor Vinícius demonstrava ser essencial pois o jogador apoiava mais e atacava mais pelo lado direito.

Thiago Maia entrou no lugar de Gabriel, para tentar encorpar mais o meio-campo, ajudando no setor e adiantar Bruno Henrique para Arrascaeta e Vitinho jogarem mais enconstados nele.

  • As ideias de Ceni e Diniz para o final do jogo
Nos minutos finais, três alterações nas duas equipes tentavam colocar intensidade no jogo. Os técnicos mexeram bem com boas ideias para o que estavam planejando com duas alterações do São Paulo e uma do Flamengo.

Luciano saiu para entrada de Pablo, um atacante mais perto do gol que jogaria mais perto de Brennner, atacante que estava saindo muito para ajudar a organizar o setor defensivo. Vitor Bueno entrou no lugar de Igor Gomes. jogador mais recursos tático. Bueno é um jogador que ataca mais, com menos velocidade para sair do campo de defesa e ter maior posse de bola.

No Flamengo, Pedro Rocha entrou no lugar de Vitinho. Foi acionado um jogador de velocidade pelo lado do campo para tentar alguma jogada pela ponta, geralmente na esquerda.

  • Tiki-Taka do Rubro-Negro: Quase um golaço no final do jogo
Em jogada construída na reta final, impressionou como o Flamengo, em poucos toques, saiu do campo de defesa para a entrada da área, na conclusão de Arrascaeta pela direita após receber de Bruno Henrique. O atacante teve espaço para ajeitar e bater, mas Tiago Volpi fez uma grande defesa.




  • Destino inacreditável do futebol e a vitória do São Paulo
A partida estava sendo encaminhada para o empate, mas um lance inacreditável mudou o destino do jogo. Léo Pereira recuou para Hugo Souza, mas o goleiro cometeu um erro gravíssimo ao tentar driblar o atacante Brenner. Hugo errou e entregou a bola para o atacante, que facilmente concluiu e deu a vitória para o São Paulo.






Muito irônico que o tricolor paulista tenha vencido justamente no único erro na saída de bola adversária, após ter errado diversas saídas durante o jogo inteiro. No jogo da pressão, o São Paulo conseguiu ser mais efeito com 2 gols em 3 finalizações. O Flamengo também pressionou e criou bastante com 12 finalizações ao todo, mas não conseguiu aproveitar as oportunidades claríssimas para reverter a vantagem no placar final.

Comentários